VEJA COMO VOCÊ PODE CONTRIBUIR PARA REDUÇÃO DO AUMENTO DO SEU PLANO DE SAÚDE

01/03/2018

ENTENDA O REAJUSTE DO SEU PLANO DE SAÚDE E VEJA COMO VOCÊ PODE CONTRIBUIR PARA REDUZIR O AUMENTO DESTE PERCENTUAL, REPASSADO ANUALMENTE NA SUA MENSALIDADE.

Anualmente, os beneficiários de plano de saúde, se questionam o motivo pelo qual os reajustes são bem mais altos do que os índices gerais de inflação de mercado, o que causa uma certa indignação, uma vez que a negociação de redução destes índices ou até mesmo propostas de mercado e anúncios, propondo tais reduções através de mudanças de planos, é quase nula.

Resumindo a questão de aplicação dos reajustes dos planos de saúde, conforme mencionado acima, estes índices são aplicados anualmente, na data de aniversário em que foi efetivado o contrato/apólice com a Operadora e tem diferença de percentual em relação a característica do contrato quando abordamos os segmentos individuais, coletivos por adesão e as ramificações dos contratos empresariais.

O reajuste é composto por três variações que impactam diretamente no valor do seu plano: São eles:

  • Reajuste por faixa etária: Ocorre a qualquer momento sempre que houver mudança nas faixas propostas pela RN 63 da ANS e quando a comercialização do seu contrato for feita por faixa etária. As faixas são: 0 a 18 anos / 19 a 23 anos / 24 a 28 anos / 29 a 33 anos / 34 a 38 anos / 39 a 43 anos / 44 a 48 anos / 49 a 53 anos / 54 a 58 anos / a partir de 59 anos. São aplicados em contratos individuais, coletivos por adesão e alguns contratos empresariais.
  • Reajuste Financeiro: Este índice é a apuração da inflação do período anterior, baseada no índice VCMH (Variação de Custos Médicos e Hospitalares) e está sempre acima da média dos índices de mercado, tais como IGPM e IPCA. São aplicados em todos os portes de contrato, porém em contratos individuais, a ANS faz um controle mais efetivo na liberação deste índice, sendo o mais baixo se comparado aos contratos coletivos por adesão e empresariais.
  • Reajuste Técnico: Este índice refere-se à apuração da sinistralidade dos contratos, que é a relação da soma das mensalidades pagas dividida pela soma das despesas pagas pelas operadoras de saúde. Seu ponto de equilíbrio nesta divisão tem um teto de 70%. Caso este limite seja ultrapassado, além da aplicação do reajuste financeiro, haverá um aumento significativo do percentual repassado no seu contrato. Estes índices são aplicados em contratos coletivos por adesão e empresariais. Embora este dispositivo seja calculado no contrato pessoa física para medir a rentabilidade da carteira, o reajuste técnico não é repassado neste segmento. É importante ficar atento nos contratos coletivos por adesão, que são os contratos disponíveis para classes profissionais, tais como: Advogados, Engenheiros, Administradores, Servidores Públicos, etc. Embora a pessoa consiga comprar com o seu CPF, sem a intermediação de um CNPJ, seja como sócio ou funcionário, o reajuste técnico é aplicado e pode chegar em torno de 30% a 40%.

 

Para entender melhor o motivo e tentar manter o equilíbrio técnico/financeiro dos contratos de planos de saúde, sejam eles individuais ou empresariais, algumas ações são necessárias e todos os beneficiários podem contribuir para esta manutenção.

Veja abaixo algumas dicas que contribuem para a redução deste índice e consequentemente o que é repassado na sua mensalidade:

1 – Apresentando algum problema de saúde, procure um Clínico Geral que facilitará a identificação do seu diagnóstico e encaminhará para a especialidade que realmente necessita.

Como dado complementar, a média de utilização de consultas num contrato está em torno de 7,44 consultas/ano/beneficiário, o dobro estabelecido pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que usa como parâmetro a quantidade indicada pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que fala em 3,5 consultas anuais.

2 – Leve sempre seus exames nas consultas, assim você tornará mais eficaz o seu atendimento, e também não precisará repetir todos os exames já realizados, quando for ao especialista. Este tipo de ação ajuda a reduzir a despesa das operadoras.

3 – Anote sempre seus sintomas nos últimos meses e comunique ao seu médico durante a consulta.

4 – Caso tenha alguma dúvida do motivo da solicitação de um exame, questione ao seu médico no que auxiliará no diagnóstico. Por exemplo, recentemente, uma equipe do Hospital Israelita Albert Einstein analisou os casos de 467 pacientes encaminhados ao hospital com indicação cirúrgica de coluna, e somente 180 dessas indicações foram confirmadas. Ou seja, mais de 60% delas não eram necessárias. Outro indício de que há exageros é o fato de que, em grandes laboratórios, o percentual de exames com resultados negativos ou normais é muito elevado. Sem contar que chega a 30% o percentual de resultados de exames que nem sequer são retirados pelos pacientes. Esses são alguns aspectos que devem ser objeto da gestão da assistência. Mas há outras providências que também podem ser tomadas para aumentar a produtividade e a capacidade de atendimento do setor, ao mesmo tempo que se melhora o serviço prestado ao consumidor.

Importante: NUNCA assine guias em branco e sem a indicação do procedimento que realizou, e sempre que fizer um tratamento em sessões, como exemplo as terapias, tais como: Fonoaudiologia, Psicoterapia, Fisioterapia, etc, assine uma de cada vez.

5 – Várias Operadoras possuem Centros Médicos e Unidades de Atendimento próprias. UTILIZE este recurso, pois você será atendido por um profissional que terá todo seu histórico e o acompanhará, ajudando a prevenir doenças futuras. Algumas operadoras também dispõe de ferramentas de acompanhamento médico para beneficiários que apresentam patologias crônicas, tais como: diabetes, hipertensão, problemas renais, etc.  Nestes programas existem profissionais médicos que farão toda uma consultoria no sentido de melhorar a saúde destes pacientes e minimizar possíveis aumentos de despesas no seu contrato.

6 – Priorize o atendimento em Rede Credenciada, pois os atendimentos por sistema de livre escolha (reembolso) tem um custo maior para prestação do atendimento. Para dispor de toda a rede credenciada/referenciada, instale os aplicativos disponibilizados ou consulte na página da operadora os Hospitais e demais pontos de atendimento próximos ao seu trabalho e residência.

 

Caso tenha alguma dúvida ou precise de alguma consultoria específica, entre em contato conosco clicando aqui.

 

Posted in Blog